Blog: AlemDoPlano
Você está vendo a Turma 2011 - Ver outros anos

Blog: AlemDoPlano
Fernanda (D-7), Marianna (D-20)
Rayssa (D-24), Thais (D-26), Victoria (D-31)

Standard & Poor's eleva nota do Brasil
Por Victoria (D-31) - quinta, 17 de novembro de 2011, às 18:00:06
Categoria: Postagem Livre

Classificação de longo prazo subiu de BBB- para BBB.
Comunicado cita 'compromisso em cumprir metas fiscais' de Dilma Rousseff
.

A agência de classificação de risco Standard & Poor's anunciou nesta quinta-feira (17) que elevou o rating soberano de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil de BBB- para BBB.

Quanto maior o rating de um país, melhor ele é sob o ponto de vista de atração de investimentos.

No mercado financeiro, o rating de um país funciona como um "certificado de segurança" que as agências de classificação dão a países que elas consideram que são bom pagadores de seus compromissos.

Além disso, a agência aumentou o rating de longo prazo em moeda local, de BBB+ para A -.

Ao mesmo tempo, reafirmou os ratings de curto prazo para país de A-3 para moeda estrangeira e A-2 para a moeda local. A perspectiva do país é estável.

A melhora da nota do Brasil foi anunciada em um momento de crise financeira mundial, em que a falta de confiança na capacidade de pagamento de países europeus tem afugentado investidores dessas nações.

Em agosto, a agência havia anunciado perspectiva positiva de melhorar essa avaliação do país.

Segundo comunicado da S&P, o governo Dilma Rousseff demonstrou seu compromisso em cumprir as metas fiscais, ampliando assim o escopo para usar instrumentos monetários para influenciar a economia doméstica.

"Esperamos que o governo persiga políticas monetária e fiscal cautelosas que, combinadas com a resiliência do crescimento econômico do país, devem moderar o impacto de potenciais choques externos e sustentar as perspectivas de crescimento de longo prazo", destaca a agência.

Com informações da Agência Estado

Fonte: http://g1.globo.com/eco...o-brasil.html


Lido 695 vezes   Comentários (0)
 
 
Como prometido, Berlusconi deixa governo italiano após aprovação de reforma econômica
Por AlemDoPlano - sábado, 12 de novembro de 2011, às 21:30:06
Categoria: Postagem Obrigatória

Com a aprovação do pacote de reformas econômicas na Itália, Silvio Berlusconi renunciou o cargo como premiê no final da tarde deste sábado (12), conforme havia prometido no início desta semana. O pedido de demissão foi entregue ao presidente do país, Giorgio Napolitano.

Berlusconi, que fracassou em garantir a maioria parlamentar numa votação crucial na última terça-feira (15), prometeu renunciar quando o Parlamento aprovasse a lei, exigida por parceiros europeus para restaurar a confiança dos mercados nas combalidas finanças públicas da Itália.

O chefe do governo italiano reconheceu neste sábado ante um grupo de jornalistas que ficou sentido pelas vaias que recebeu após a votação do Parlamento, que abriu as portas para sua renúncia.

"Foi algo que me doeu profundamente", disse ele cercado por dirigentes de seu partido, o Povo da Liberdade, pouco antes de se dirigir ao Palácio do Qurinal, sede da presidência da República, onde deverá apresentar sua renúncia.

A saída do premiê abre espaço para a formação de um governo de emergência e promete colocar ponto final em um período marcado por escândalos no país desde o pós-guerra.

A expectativa é de que Napolitano dê a Mario Monti a tarefa de formar um novo governo para fazer frente à crise financeira, que elevou os custos de financiamento da Itália e ameaçou provocar uma emergência em toda a zona do euro.  Espera-se que o substituto escolha um gabinete relativamente pequeno formado por especialistas tecnocratas para tirar a Itália da crise.

Como não há perspectivas de novas eleições até 2013, o governo tecnocrata teria cerca de 18 meses para aprovar dolorosas reformas econômicas, além de garantir apoio da maioria do Parlamento italiano. Caso contrário, poderá cair antes mesmo deste prazo.

Com uma dívida pública de mais de 120% do PIB (Produto Interno Bruto) e mais de uma década de crescimento econômico anêmico, o país está no centro da crise de dívida da zona do euro e é grande demais para o bloco monetário socorrê-lo.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/ult...reforma-economica.jhtm 

Comentário:

Mais um governo europeu que não soube lidar com suas finanças e deixou o país a beira de um caos, caiu. Dessa vez foi Berlusconi, primeiro ministro da Itália, com um governo repleto de escândalos econômicos e até sexuais, este foi obrigado sob a pressão exercida pelos outros países da zona do euro e o do FMI a renunciar. Espera-se agora, que a Itália consiga formar um governo que possa controlar os gastos públicos, voltando a ter um bom crescimento econômico.

 

 

 Marianna Troccoli Dias


Lido 702 vezes   Comentários (0)
 
 
Líder máximo das Farc, Alfonso Cano morre em operação militar na Colômbia
Por Victoria (D-31) - sábado, 05 de novembro de 2011, às 13:39:58
Categoria: Postagem Livre

O líder máximo das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), conhecido como "Alfonso Cano", morreu na Colômbia, informa o Ministério da Defesa do país.

"As forças militares da Colômbia alcançaram um de seus objetivos militares mais importantes", disse o governador de Cauca, Alberto Gonzalez Mosquera. "Tropas do Exército e da Força Aérea realizaram uma operação entre os municípios de Suarez e Lopez de Mikay, onde mataram o 'histórico' Alfonso Cano", detalhou Gonzalez.

Não foi especificado nem a data nem o local da morte de Cano, cujo nome real é Guillermo León Sáenz, e se especula que sua morte tenha acontecido há duas semanas, mas só agora foi confirmada a identidade do rebelde.

Horas antes de se confirmar a morte, o ministro da Defesa colombiano, Juan Carlos Pinzón, disse em entrevista coletiva que uma ofensiva das tropas do Exército colombiano contra local onde estaria Cano, realizada na Salvajina (região de Cauca) deixou saldo de duas mortes e quatro capturas, entre elas do guerrilheiro chefe de segurança de Cano, "El Índio Efraín".

"Efraín e os outros três capturados também fazem parte do círculo de segurança de Alfonso Cano", disse Pinzón em entrevista coletiva.

Segundo ele, outros dois guerrilheiros da Frente Sexto, das Farc, morreram. Um operador de rádio conhecido como "El Zorro", com 14 anos de militância no grupo guerrilheiro, e uma mulher ainda não identificada que pode ser a companheira de Cano. Num primeiro momento o ministro não fez referência a quem estava no acampamento atacado.

Ao comentar a morte de Cano, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, pediu que os militantes parassem a mobilização. "Desmobilizem-se, caso contrário, como dissemos tantas vezes e como comprovamos, terminarão ou em uma prisão ou no túmulo".

O líder fez este apelo aos integrantes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) em pronunciamento público na cidade caribenha de Cartagena de Indias, onde estava quando soube da notícia da morte do máximo chefe desta guerrilha.

"Este golpe é uma confirmação do que dissemos tantas vezes: o crime não compensa, a violência não é o caminho", advertiu o presidente colombiano, ao chamar à desmobilização os membros de uma guerrilha que perdeu seus líderes históricos nos últimos quatro anos.

"Caiu o número um das Farc. É o golpe mais contundente dado nesta organização em toda sua história", comemorou o presidente, antes de felicitar os diferentes corpos das forças de segurança colombianas por sua "perseverança" e "coragem".

Santos assegurou que com a morte de "Cano", apelido de Guillermo León Sáenz, "se alcançou um grande golpe, um golpe histórico", embora tenha considerado que não se deve cair em triunfalismos, mas continuar perseverando.

"Devemos insistir até trazer aos colombianos um país em paz, um país onde todos unidos possamos trabalhar por um futuro melhor", clamou o presidente.

*Com informações de Agências internacionais.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/ult...itar-na-colombia.jhtm


Lido 721 vezes   Comentários (0)
 
 
Promessas em vão - Charge
Por AlemDoPlano - sexta, 04 de novembro de 2011, às 21:36:50
Categoria: Charge

A charge faz relação as "promessas em vão" do G20 na questão em não terem chego a um acordo em como aumentar os recursos do FMI. Irozinando assim, a incapacidade de um grande grupo de países chegarem a uma resolução deste problema, mesmo que criar a moeda SDR ou colocar recursos em um novo fundo sejam algumas das opções.


Lido 730 vezes   Comentários (0)
 
 
Sarkozy e Merkel se reúnem com primeiro-ministro grego
Por Victoria (D-31) - quarta, 02 de novembro de 2011, às 21:08:11
Categoria: Postagem Livre

Grécia é pressionada após anúncio de que fará referendo sobre ajuda. Reunião sobre a crise ocorre antes da cúpula do G20.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, iniciaram nesta quarta-feira (2) uma reunião com o primeiro-ministro grego, George Papandreou, em Cannes, antes da cúpula do G20, para discutir uma saída para a crise da Grécia. A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, também participa do encontro.

Papendreou desembarcou nesta quarta-feira em Cannes, após ter sido convocado para uma conversa de emergência com Sarkozy e Merkel para dar explicações sobre a realização de referendo em seu país que colocou em risco a ajuda europeia.

França e Alemanha devem pressionar Papandreou por uma maior clareza na proposta do referendo e pela rápida aplicação de medidas para combater a crise da dívida da zona do euro.

A decisão do primeiro-ministro grego de convocar um referendo sobre o plano de ajuda, trabalhosamente acordado em Bruxelas na quinta-feira passada para tratar de resolver o problema da dívida grega, criou enormes tensões nos mercados e trouxe descontentamento aos membros da zona do euro.

"Este anúncio pegou a Europa inteira de surpresa", disse mais cedo Sarkozy. "O plano ... é a única maneira de resolver o problema da dívida da Grécia."

A dupla franco-alemã primeiro se reuniu com diretores de instituições da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta quarta-feira para discutir como limitar os danos da medida grega e pressionar para um resultado rápido.

Merkel sublinhou o mesmo tom de exasperação e impaciência. "Concordamos com um plano para a Grécia na semana passada. Queremos colocá-lo em prática, mas para isso precisamos de clareza, e o encontro desta noite deve ajudar exatamente com isso", declarou.

Lagarde classificou o referendo como um "soluço" nos esforços para resolver a crise de dívida da zona do euro. Mas, segundo ela, ainda há esperanças de uma recuperação econômica global através de uma ação "corajosa e de cooperação" de líderes mundiais.

Apesar de não estar prevista anteriormente, a crise grega entrou na agenda do G20, que reúne líderes dos vinte países mais poderosos do planeta, que será realizada nesta quinta e sexta-feira em Cannes. Se já estava totalmente tomada pela pauta europeia, agora a reunião de cúpula das maiores economias do mundo ficou travada pela decisão de Papandreou de realizar um referendo sobre o resgate da União Europeia.

Economistas e governos temem que o referendo possa forçar a Grécia a dar default em suas obrigações relativas à dívida e fazer com que a crise engula algumas das maiores economias da Europa.

Atenas deveria receber neste mês uma parcela de 8 bilhões de euros, parte do empréstimo de 110 bilhões de euros de resgate acordado por seus parceiros da UE e pelo FMI no ano passado. Com o anúncio do referendo sobre a ajuda, liberação do empréstimo passa a ser dúvida.

Fonte: http://g1.globo.com/eco...stro-grego.html


Lido 738 vezes   Comentários (0)
 
 
  Próxima Página >>