Blog: Geo_Mundo
Você está vendo a Turma 2013 - Ver outros anos

Geo_Mundo Blog: Geo_Mundo
Raquel (A-24), Tatiana (A-26)
Victoria (A-28)

Lixo: questão de cidadania e responsabilidade social
Por Geo_Mundo - quarta, 06 de novembro de 2013, às 18:38:07
Categoria: Postagem Obrigatória

-
Lido 418 vezes   Comentários (0)
 
 
Snowden está disposto a depor sobre suposta espionagem da Alemanha pelos EUA
Por Tatiana (A-26) - quinta, 31 de outubro de 2013, às 23:54:35
Categoria: Postagem Livre

O parlamentar alemão Hans-Christian Ströbele disse que se reuniu com Edward Snowden em Moscou nesta quinta-feira e que o ex-funcionário de espionagem dos Estados Unidos estava disposto a contribuir com as investigações da Alemanha sobre o suposto grampeamento do celular da chanceler Angela Merkel.

Ströbele, do partido opositor Verdes, disse à emissora alemã ARD que estava claro que Snowden "sabia muito" e que ele compartilharia os detalhes do encontro, inclusive uma carta de Snowden ao governo alemão, na sexta-feira.

O parlamentar publicou uma foto no Twitter ao lado de Swnoden, ex-agente da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) que vazou detalhes dos programas secretos de vigilância de Internet e telefone dos Estados Unidos, e a emissora transmitiu imagens dos dois se cumprimentando em uma sala.

"Ele deixou claro que sabe muito e que assim que a Agência de Segurança Nacional bloquear as investigações ... ele está essencialmente preparado para vir à Alemanha e dar seu testemunho, mas as condições devem ser discutidas", disse Ströbele.

Snowden disse a Ströbele que devido a sua complicada situação - os EUA retiraram seu passaporte - não poderá depor pessoalmente. Alemanha e EUA têm um acordo de extradição assinado e Washington já enviou ao governo alemão de forma preventiva uma solicitação de extradição de Snowden.

Snowden é considerado fugitivo pelos EUA, que o acusam, entre outras coisas, de espionagem. Ele ganhou asilo temporária na Rússia em agosto.

Uma alternativa simples, esclarece o "Süddeutsche Zeitung", seria um depoimento a distância, desde Moscou, como propôs o próprio Ströbele na reunião.

Outra, lembra o jornal, factível, mas mais complexa legal e diplomaticamente, seria a concessão a Snowden de uma permissão de residência para "salvaguardar os interesses políticos da Alemanha".

A reunião entre Snowden e Ströbele transcorreu entre fortes medidas de segurança, e o parlamentar alemão foi levado por agentes secretos em um veículo com vidros escuros de seu hotel até o lugar onde se encontra o ex-técnico da NSA.

A chanceler alemã, Angela Merkel, enviou seus principais assessores de assuntos externos e de inteligência a Washington nesta semana para questionar autoridades dos EUA sobre alegações de que o telefone celular dela havia sido grampeado pela NSA, o que provocou indignação na Alemanha.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mun...a-a-alemanha.shtml


Lido 421 vezes   Comentários (0)
 
 
A um dia do calote, Bolsas sobem com otimismo sobre impasse nos EUA
Por Raquel (A-24) - quarta, 16 de outubro de 2013, às 12:45:39
Categoria: Postagem Livre

Faltando apenas um dia para que os Estados Unidos deem calote em seus credores, investidores acompanham com cautela as negociações entre democratas e republicanos para que seja elevado o teto da dívida do governo americano nesta quarta-feira (16).

O Ibovespa, principal índice da Bolsa brasileira, tinha alta de 0,76% às 10h56 (horário de Brasília), aos 55.402 pontos. O indicador acompanha o bom humor visto nos mercados americanos, com o índice Dow Jones subindo 1,12% no mesmo horário, enquanto o S&P 500 avançava 0,59% e o Nasdaq ganhava 0,98%.

Os investidores operam otimistas de que os políticos dos Estados Unidos irão firmar um acordo de última hora para evitar que o país declare o calote na dívida, evento que poderia prejudicar os mercados e economias mundo afora.

Amanhã é considerada a data limite para que um acordo seja firmado, pois seria quando os EUA gastariam os últimos recursos disponíveis para honrar sua dívida. Também seguem as conversas para definir o orçamento dos EUA para o ano fiscal que começou em outubro.

Até que isso ocorra, segue a paralisação do governo dos EUA, que já está em sua terceira semana. Nesse período, parques, museus e outros espaços públicos permanecem fechados, além de milhares de funcionários estarem impedidos de trabalhar, numa medida radical para cortar imediatamente os gastos do governo americano.

Segundo especialistas consultados pela Folha, apesar de o impasse nos EUA exigir cautela, a chance de que republicanos e democratas não cheguem a um consenso é pequena.

"Os Estados Unidos não devem deixar que ocorra o calote. Estamos falando de muito dinheiro que deixaria de ser pago aos credores, sendo a economia chinesa o principal deles. Imagina o efeito em cadeia: EUA dão calote na China, que dá calote em nos países com os quais mantém relações comerciais, ou seja, o Brasil e o mundo. Um estrago sem precedentes. Isso não irá acontecer", diz Julio Hegedus, economista-chefe da consultoria Lopes Filho.

"Eu já imaginava que eles [democratas e republicanos dos EUA] tomariam todo esse tempo para ver se uma das partes cederia em suas imposições. É natural que, com a pressão do prazo, algum lado tenha que abrir mão de algo para que seja possível um consenso", avalia Elad Revi, analista-chefe da Spinelli Corretora.

CÂMBIO

No câmbio, o dólar à vista, referência no mercado financeiro, tinha baixa de 0,81% em relação ao real, às 11h01, cotado em R$ 2,163 na venda. Já o dólar comercial, usado no comércio exterior, cedia 0,73% no mesmo horário, a R$ 2,164.

O movimento da moeda americana reflete o otimismo dos investidores em relação a uma solução ao impasse nos EUA, que motiva a menor procura por aplicações consideradas mais seguras, como o dólar.

Além disso, o Banco Central realizou mais cedo um leilão de swap cambial tradicional, que equivale à venda de dólares no mercado futuro. A autoridade vendeu, ao todo, 10 mil contratos com vencimento em 5 de março de 2014, por US$ 497,7 milhões. A operação estava prevista pelo plano da autoridade para conter a escalada do dólar.


FONTE: http://www1.folha.uol.com.br/mer...asse-nos-eua.shtml


Lido 431 vezes   Comentários (0)
 
 
Recuperação da popularidade de Dilma perde força
Por Tatiana (A-26) - sábado, 12 de outubro de 2013, às 21:31:35
Categoria: Postagem Livre

O índice de aprovação da presidente Dilma Rousseff oscilou dois pontos para cima no intervalo de dois meses e agora atinge 38%, mostra pesquisa Datafolha realizada nesta sexta-feira (11).

Em relação ao levantamento de junho, feito logo após o auge da onda de protestos pelo país, a atual taxa de aprovação da presidente está oito pontos percentuais maior. Naquela ocasião, Dilma obteve 30% de aprovação, seu pior índice desde a posse, em janeiro de 2011.

A aprovação é a soma das avaliações "ótimo" e "bom" na pergunta sobre o desempenho do governo. Os dados mostram que a tendência de recuperação da imagem de Dilma continua, mas perdeu força no período mais recente.

O Datafolha ouviu 2.517 pessoas em 154 municípios. Como a margem de erro da pesquisa é de dois pontos para mais ou para menos, não é possível dizer que a aprovação ao governo Dilma subiu em relação ao levantamento anterior.

O mesmo vale para a reprovação (soma de "ruim" e "péssimo"), que atingiu o pico em junho com 25%, foi a 22% em agosto e agora está em 19%.

O Datafolha também pede para os entrevistados atribuírem uma nota para a presidente numa escala que vai de zero a 10. Dilma conseguiu 6,2 ontem, 0,1 ponto acima da nota anterior. Sua melhor nota desde a posse foi 7,5, em abril de 2012.

As pequenas variações dos indicadores de avaliação do governo Dilma são coerentes com as oscilações das expectativas econômicas dos entrevistados.

Em relação à pesquisa de agosto, pouca coisa mudou. A expectativa de aumento da inflação oscilou de 53% para 54%. A ideia de futuro aumento do desemprego foi de 39% para 38%. Para 30%, o poder de compra dos salários irá aumentar, só dois pontos a mais que o observado em agosto.

Em relação à situação econômica do país, as variações são igualmente residuais. Ontem, 31% responderam que o país irá melhorar ante 30% dois meses atrás. O maior grupo, 39%, entende que tudo irá ficar como já está.

um pouco mais de otimismo em relação à situação econômica do próprio entrevistado. Ao Datafolha, 47% disseram que esperam uma melhoria nesse aspecto. O índice anterior era semelhante, 48%.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2013/10/1355805-recuperacao-da-popularidade-de-dilma-perde-forca.shtml


Lido 433 vezes   Comentários (0)
 
 
Bombas e ogivas são destruídas no início do desarmamento sírio, diz ONU
Por Victoria (A-28) - domingo, 06 de outubro de 2013, às 20:09:45
Categoria: Postagem Livre


A equipe de especialistas internacionais destruiu ogivas, bombas e equipamentos para misturar produtos químicos, neste domingo (6), no primeiro dia da campanha para desmantelar o arsenal de armas químicas da Siria, informou a Organização das Nações Unidas (ONU).

Os especialistas supervisionaram o pessoal sírio, que "usou maçaricos e máquinas trituradoras para destruir, ou inutilizar, uma gama de objetos", segundo nota divulgada pela ONU e pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq).

Na sexta-feira (4), a Síria entregou a peritos internacionais dados adicionais sobre seu programa de armas químicas, indo além da declaração de 21 de setembro sobre seu arsenal de gases venenosos.

A equipe consiste de especialistas da Organização para a Proibição de Armas Químicas, de Haia, Holanda, com a ajuda de pessoal da ONU. Na semana passada, o Conselho de Segurança da ONU exigiu a eliminação do arsenal químico da Síria.

O porta-voz da ONU, Martin Nesirky, disse que o diretor-geral da organização, Ahmet Uzumcu, informou o conselho executivo da entidade que a Síria havia entregue novos detalhes sobre o programa.

"O material adicional está sendo revisado pela Organização para a Proibição de Armas Químicas", declarou Nesirky. Ele afirmou que Uzumcu deve atualizar os países membros da organização na terça-feira. Nesirky não deu detalhes sobre os novos dados.

Diplomatas ocidentais em Nova York dizem que o setor de inteligência de seus países estão analisando a declaração sobre o programa de armas químicas da Síria enviada pelo presidente sírio, Bashar al-Assad, em 21 de setembro.

O conteúdo da declaração não foi divulgado publicamente.

Fonte :

http://g1.globo.com/mun...irio-diz-onu.html


Lido 437 vezes   Comentários (0)
 
 
  Próxima Página >>